27.5 C
Brasília
segunda-feira, maio 16, 2022
spot_img

Tucanos dizem que Marconi Perillo não definiu se vai para deputado ou governador

Dois tucanos sugerem que o ex-governador está, no momento, buscando uma polarização com o governador Ronaldo Caiado

Jornal Opção pediu a dois tucanos de bicos erados: “Qual é o real projeto político-eleitoral de Marconi Perillo para 2022 — mandato de governador ou de deputado federal?”

Embora os dois não tenham combinado, aparentemente, as respostas são praticamente as mesmas, com uma divergência. “Dada sua experiência, Marconi Perillo sabe que só se torna um grande político se se estiver disposto a correr risco. Entretanto, como não é nenhum amador, está examinando as pesquisas, verificando suas possibilidades. Portanto, pode ser candidato a governador ou a deputado federal. Como quem não é neófito sabe, a um ano e seis meses das eleições, não é o momento adequado de definir um projeto político, sobretudo para quem tem desgaste e precisa esperar um pouco mais para verificar de ele diminui”, postula o tucano mais velho. “Se disser que ‘não’ sabe ainda qual projeto vai tocar em 2022, Marconi Perillo não estará faltando com a verdade. Vocês, da imprensa, querem respostas precisas. Mas a política, em alto nível, a respeito de disputa para governador, por exemplo, exige mais tempo, exame detido da correlação de forças. Hoje, é preciso admitir, o quadro é amplamente favorável ao governador Ronaldo Caiado, do partido Democratas.”

O segundo tucano sugere que o repórter examine o atual comportamento de Marconi Perillo nas redes sociais. “Se você observar bem, Marconi Perillo, ainda que de maneira comedida, começa a postar vídeos com o objetivo de polarizar com o governador Ronaldo Caiado, do partido Democratas. Se for candidato, uma das táticas da campanha será mostrar um comparativo das obras de cada um”. O político acrescenta: “É provável que as oposições lancem três candidatos — um do Patriota, Jânio Darrot, um do PT, ainda não definido, e um do PSDB, que pode ser Marconi Perillo, José Eliton ou Paulinho Rezende. Uma candidatura do empresário Otavinho Lage a governador poderia atrair o MDB de Daniel Vilela, pois os dois começaram a construção de uma aliança a partir da disputa pela Prefeitura de Goianésia. Mas as informações disponíveis sugerem que o ex-prefeito da cidade do Vale do São Patrício não pretende disputar eleição em 2022”.

Qual é a percepção que o PSDB tem sobre a possível posição política de Daniel Vilela em 2022? Os tucanos divergem.  O mais experimentado sugere que Daniel Vilela tende a fechar uma aliança com Ronaldo Caiado. “Daniel, com a morte do pai e devido ao fato de que, dia menos dia, o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, vai assumir o poder com força total, esvaziando o grupo do MDB que controla a prefeitura, terá de buscar uma referência, e possivelmente será Ronaldo Caiado. Próximo do governador ele se fortalecerá ante uma estrela em ascensão do emedebismo, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha.”

O outro tucano pensa diferente: “Daniel não vai se atritar com Ronaldo Caiado agora, mas, pressionado pelas bases do MDB, que são contrárias às bases do Democratas no interior, acabará por se tornar candidato a governador. E, se não quiser disputar, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, poderá colocar seu nome no jogo. Por ter experiência administrativa, Mendanha poderá se tornar um candidato até mais viável do que Daniel”.

No momento, os dois tucanos dizem que “todos estão jogando” e, de alguma maneira, “testando suas forças”. E avaliam que, como a chapa majoritária de Ronaldo Caiado não tem como agasalhar todas as “estrelas” de sua base política, como os deputados federais João Campos (Republicanos) e Zacharias Calil (Democratas) e o ex-ministro Alexandre Baldy (progressistas), há a possibilidade de conquistar algum deles para um projeto alternativo. “O deputado federal Delegado Waldir Soares mantinha conversações com Daniel Vilela. Porém, ao perceber a aproximação de Daniel com o governador, já está dialogando com Jânio Darrot”, afirma o tucano de bico mais comprido. “A política é um vai-e-vem. Ninguém é eterno no poder. Veja-se os casos de Marconi Perillo e de Iris Rezende. O poderoso de hoje pode não ser o de amanhã”, frisa.

Fonte: Jornal Opção

Compartilhar

relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui