Relator apresenta parecer da reforma da Previdência na CCJ do Senado

Senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) suprimiu trechos de texto aprovado na Câmara. Discussão será aberta na próxima semana, quando matéria deve ser votada na comissão.

O relator da reforma da Previdênciano Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), leu nesta quarta-feira (28) seu parecer favorável à admissibilidade da matéria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A expectativa é que as discussões sejam abertas na próxima semana e que o texto seja votado no colegiado na quarta-feira (4).

Se aprovada, a proposta seguirá para o plenário, onde terá de ser votada em dois turnos por pelo menos 49 senadores.

Inicialmente, os líderes partidários do Senado previam concluir a votação da proposta no dia 2 de outubro. Depois, o presidente da Casa informou que a data passou para 10 de outubro.

A reforma já foi aprovada em dois turnos pela Câmara dos Deputados. Se o Senado mantiver o texto aprovado pela Câmara, a reforma seguirá para promulgação.

Ao iniciar a leitura de seu relatório, Tasso disse que a Previdência consome mais da metade do orçamento da União, deixando áreas como saúde e infraestrutura prejudicadas.

“A Previdência já consome mais da metade do orçamento da União. Sobrando pouco espaço para educação, saúde e infraestrutura, e provocando uma expansão insustentável da nossa dívida e seus juros”, disse o relator.

“O verdadeiro retrocesso social são cortes nas políticas sociais de fato destinado aos mais pobres”, afirmou.

Em entrevista à GloboNews, o senador disse que boa parte dos problemas apontados no texto, principalmente, pela oposição está atendido (veja no vídeo abaixo).

“Acho que boa parte foi atendido. Não todas, é evidente, porque é impossível atender a todos. Mesmo porque é fundamental manter o equilíbrio fiscal. Esse sim, o equilíbrio fiscal, é o que vai dar oportunidade de se atender os mais pobres do país”, afirmou.

Mudanças no texto

Nesta terça-feira, Jereissati entregou seu relatório ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e à presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS).

Em seu parecer, o senador suprimiu trechos da proposta aprovada na Câmara, como alterações nas regras para a concessão do Benefício de Prestação Continuada e de aposentadorias especiais.

Segundo o relator, as supressões no texto não implicam nova análise do texto pelos deputados.

De acordo com a presidente da CCJ, o texto tem até o momento 275 emendas (sugestões de alteração do texto).

Entre outros pontos, a reforma da Previdência já aprovada na Câmara prevê:

  • idade mínima de aposentadoria: 65 anos para homens e 62 anos para mulheres;
  • tempo mínimo de contribuição para trabalhadores do setor privado: 15 anos para mulheres e 20 anos para homens (15 anos para homens já no mercado de trabalho);
  • tempo mínimo de contribuição para o funcionalismo público: 25 anos para homens e mulheres;
  • idade mínima de aposentadoria para trabalhadores da área rural: 55 anos para mulheres e 60 anos para homens;
  • idade mínima de aposentadoria para professores: 57 anos para mulheres e 60 anos para homens;
  • policiais federais, legislativos, civis do DF e agentes penitenciários: idade mínima de 55 anos para homens e mulheres poderem se aposentar;
  • regras de transição para quem já está no mercado de trabalho.

Fonte: G1

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *