16.5 C
Brasília
sexta-feira, agosto 19, 2022
spot_img

CONCORDO PLENAMENTE! E QUE O PALÁCIO SEJA EXEMPLO!

Caiado defende prisão para quem fizer festa clandestina em Goiás

Pede conscientização na pandemia estado tem 11.192 mortes por covid.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse nessa 2ª feira (29.mar.2021) que as forças de segurança do Estado têm autorização para prender quem fizer festas clandestinas durante a pandemia de covid-19.

“Não tem cabimento fazer festa clandestina na maior crise sanitária que nosso país já viveu, minha gente. Nossas forças de segurança terão total liberdade para prender os organizadores desses eventos não autorizados que promovem aglomerações”, escreveu em seu perfil no Twitter.

Segundo a Secretaria de Saúde de Goiás, foram registradas 3.336 infecções pelo coronavírus em 24 horas de domingo a 2ª feira (29.mar). Foram 191 mortes pela covid-19 no período.

O Estado totaliza 11.192 mortes, média de 1.552 por milhão de habitantes.

Um decreto estadual estabelece revezamento das atividades não essenciais em Goiás: 14 dias em suspensão e 14 dias em funcionamento. O comércio deve reabrir a partir desta 4ª feira (31.mar).

Em entrevista à TV Record, Caiado pediu conscientização por parte da população.

Cumpriremos nossa palavra. Mas pedimos, de antemão, que as pessoas, por favor, se conscientizem, e que façam o período de 14 dias de abertura dentro dos critérios que estão pré-definidos no decreto.

Entre os critérios estão o respeito ao distanciamento social e redução da capacidade máxima de lotação de estabelecimentos.

Caiado participou de reunião com o presidente Jair Bolsonaro na última 4ª feira (24.mar.2021). Estiveram presentes também outros governadores, ministros e presidentes de outros Poderes. A pauta era o combate ao coronavírus.

No fim, Bolsonaro anunciou a criação de um grupo para centralizar as ações contra o coronavírus, sem usar a expressão “comitê de crise”.

No pronunciamento depois do encontro, Bolsonaro focou seu discurso em vacinação. Ele já tinha adotado um tom favorável à imunização, pela qual demonstrou pouco entusiasmo a princípio, em discurso televisivo feito em 23 de março.

Bolsonaro não mencionou o isolamento social, tido por especialistas como a melhor medida para conter o coronavírus na ausência de vacinas.

Em entrevista a jornalistas na saída da reunião, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse que foi solicitado ao governo federal um protocolo nacional, com base científica, para lidar com a pandemia.

Repórteres perguntaram especificamente se foi pedida ao governo federal uma política de isolamento. Zema respondeu: “Sim, pedimos medidas baseadas na ciência. Aquilo que a classe médica, os cientistas, vierem a recomendar, deverá ser adotado como medida”.

Fonte: Poder360

Compartilhar

relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui