16.5 C
Brasília
sexta-feira, agosto 19, 2022
spot_img

CADA UM SEGUE A SUA CONSCIÊNCIA!

“O deputado tinha que ficar é feliz de mostrar a verba que conseguiu, não?”

Danilo Forte, do PSDB do Ceará, disse que recebeu recursos das chamadas emendas de relator, mas deu publicidade em suas redes

O deputado Danilo Forte (foto), do PSDB do Ceará, disse a O Antagonista que indicou, sim, recursos de emendas de relator para a área da saúde em municípios do seu estado, em meio à pandemia da Covid.

“Me ofereceram trator e eu não quis”, afirmou.

As emendas de relator viraram um escândalo conhecido orçamento secreto — bilhões de reais de dinheiro público são distribuídos sem critérios definidos e sem qualquer transparência em sua aplicação.

O STF determinou que o Congresso dê publicidade à distribuição dessas verbas, mas o Parlamento está reagindo e quer manter em segredo pelo menos os detalhes da liberação dos montantes em 2020 e em 2021, como noticiamos ontem com exclusividade.

Danilo Forte criticou os colegas que defendem o orçamento secreto. 

“Se não tem mecanismo nem sequer para saber a lista das indicações, imagina para fiscalizar esses gastos. Nosso papel também é fiscalizar. Desse jeito, estamos negando o papel do próprio Congresso”, afirmou o tucano.

“Eu indiquei essas emendas e dei publicidade nas minhas redes sociais. Estou achando estranho alguns quererem esconder. O deputado tinha que ficar é feliz de mostrar a verba que conseguiu para o seu estado, não?”, acrescentou Forte.

O deputado afirmou que a sociedade, “com razão, fará uma cobrança muita severa em relação a esse assunto”.

“Até porque estamos vivendo um momento muito crítico, criando espaço no orçamento para garantir Auxílio Brasil. A gente tem que ter mais zelo e mais cuidado com o orçamento público. É dinheiro do povo. É lamentável esperar uma interferência do STF em algo tão sensível.”

Como noticiamoso Congresso ignorou o Supremo e publicou um ato que omite os nomes dos parlamentares que indicaram emendas de relator no ano passado e neste ano. Na noite de ontem, após repercussão negativa, Rodrigo Pacheco, presidente do Senado e do Congresso, se viu obrigado a adiar para a próxima segunda-feira a sessão na qual tentará votar um projeto que pretende “regulamentar” o orçamento secreto.

Compartilhar

relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui