15.5 C
Brasília
sábado, agosto 13, 2022
spot_img

ALÉM DE LADRÃO…

Diretor da CBF acusa Rogério Caboclo, presidente afastado, de assédio moral

Funcionário afirma que mandatário pediu rastreamento de telefone da secretária que denunciou Caboclo por assédio sexual

Afastado da presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) por acusações de assédio sexual e moral contra uma funcionária, Rogério Caboclo recebeu uma nova denúncia. Fernando França, diretor de tecnologia da informação da entidade, acusa Caboclo de assédio moral.

A queixa foi protocolada na terça-feira (22) na comissão de ética da CBF, que deverá julgará o caso. A informação foi inicialmente publicada pelo GE, e confirmada pela Folha.

França afirma que sofreu “injúria, difamação e agressões ameaçadoras” de Caboclo. O diretor também diz que passou a ser chamado de incompetente e amador. Testemunhas indicadas por ele deverão ser ouvidas pela comissão.

O diretor de tecnologia da informação teria dito para demais funcionários da CBF que Rogério Caboclo exigiu que ele rastreasse o aparelho celular e os emails da secretária que acusa o presidente de assedia-la sexualmente e moralmente. França não teria atendido o pedido do mandatário.

Os relatos da secretária da CBF foram feitos à Comissão de Ética e Diretoria de Governança e Conformidade no dia 4 de junho.

Dois dias depois, o dirigente foi afastado (por um mês), e Antônio Carlos Nunes de Lima, o coronel Nunes, assumiu a presidência por ser o vice mais velho (82 anos). Nunes fica no cargo temporariamente até a conclusão do caso.

Em áudios gravados pela funcionária, divulgados pelo Fantástico, é possível ouvir Rogério Caboclo questionando se ela se masturba, além de sugerir que ela tinha um romance com outro empregado da instituição.

Folha entrou em contato com a assessoria de imprensa de Caboclo, que não se manifestou até a publicação deste texto.

Compartilhar

relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui