TvKajuru | Só Verdades

Compartilhar pelo whatsapp

LAVAJATO: PF faz busca no apartamento do presidente da AGETOP

Postado por TVKajuru.com | 24/03/2016 às 12:58h

Investigação revela que o policial Sérgio Vaz, morto em Anápolis em janeiro, recebeu R$ 1 milhão da Odebretch, para entregar a Jaime Ricón, presidente da AGETOP.

 

Lavajato: PF faz busca no apartamento do presidente da AGETOP

A Lava Jato chegou definitivamente a Goiás. Nesta terça, 22, a Polícia Federal deflagrou a 26ª fase da operação investigando rede de propinas em obras da empreiteira Odebrecht. O Aeroporto de Goiânia está entre os empreendimentos investigados.

A PF cumpriu mandado de busca e apreensão na tarde de ontem no apartamento do presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, nos Jardins, em São Paulo.

Segundo as investigações, o motorista de Jayme e policial militar de Goiás, Sergio Rodrigues de Souza Vaz, falecido em 31 de janeiro em Anápolis, aparece em lista que indicaria recebimento de pagamentos efetuados por ordem de Ricardo Ferraz, diretor de contrato da Odebrecht Infraestrutura, responsável por obras do Aeroporto Santa Genoveva.

O juiz Sérgio Moro relata que foi registrada em planilha de Ferraz a entrega de R$ 1 milhão em espécie a Sergio, que tinha como apelido "Padeiro", no dia 22 de outubro de 2014. A ordem era para entrega do dinheiro no endereço do apartamento de Jayme Rincón. Também há registro na planilha de dois celulares que estavam no nome de Sérgio.

Um dos anexos da representação feita pela PF ao juiz reproduz a planilha com anotação a mão: "Entregar (indica o endereço do apartamento de Jayme) ao senhor Sérgio (telefones registrados) dia 22/10, das 10h às 12h".

Ainda de acordo com as investigações, também aparece na lista um nome identificado como "Comprido", que teria recebido R$ 400 mil.

As obras do aeroporto são de responsabilidade da Infraero, do governo federal, mas os responsáveis pelas investigações disseram ontem em entrevista coletiva que apuram também supostos esquemas paralelos da empresa em obras e contratos nos Estados.

Ainda ontem, o advogado de Jayme Rincón, Pedro Paulo Medeiros, protocolou na Justiça petição que solicita cópia integral dos autos. A petição relata que dois policiais federais estiveram no apartamento, onde moram seus filhos, e indica não saber do que se trata a investigação.

Motorista de Jayme desde 2010, Sérgio Vaz morreu depois de reagir a assalto a uma pamonharia em Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia, no dia 31 de janeiro. Ele estava com a namorada, também policial, que não foi atingida. Dois assaltantes também morreram na troca de tiros.

Jayme Rincón disse ontem ao POPULAR que não tem ligação alguma com Ricardo Ferraz e que desconhece o motivo para a busca em seu apartamento. Ele contou que os policiais vasculharam toda a residência, mas não levaram nada.

"Não temos (Agetop) contrato algum com a Odebrecht. Não há nenhum negócio", disse. O presidente afirmou que Ricardo Ferraz esteve na Agetop por duas ou três vezes quando o governo cogitou a concessão de rodovias, em 2012. "Como era o responsável pelo aeroporto, ficava ali perto (da sede da agência) e esteve algumas vezes comigo. Mas a questão não prosperou e não falamos mais."

Segundo Jayme, Sérgio Vaz era uma pessoa muito próxima a ele. "Era uma pessoa da minha inteira confiança, muito próximo a mim, que tinha livre acesso no condomínio, tinha contato com meus filhos. Em tantos anos juntos, você acaba criando vínculo", conta. "Não quero fazer nenhum juízo de valor antes de ter acesso a todo o processo, mas ele também fazia serviços particulares, dos quais não tenho conhecimento", completou, ao ser questionado sobre o fato de o dinheiro ter sido supostamente entregue a Sérgio no apartamento de Jayme. O policial era lotado no Batalhão Rodoviário, à disposição da Agetop.

As informaçoes são de O Popular.


Compartilhar em:


PUBLICIDADE