TvKajuru | Só Verdades

Compartilhar pelo whatsapp

Preso delatado no caso Marielle divulga carta: 'Não tenho qualquer envolvimento nesse crime bárbaro'

Postado por TVKajuru.com | 10/05/2018 às 11:13h

Orlando Oliveira de Araújo está preso por crime semelhante, como mostrou o G1 na quarta-feira (9). Ele é apontado pela Polícia Civil como chefe de milícia na Zona Oeste e seria mandante de morte com perseguição em 2015.

 

 

Por Gabriel Barreira, G1 Rio

 

 
Em carta, "Orlando de Curicica" nega envolvimento com o crime de Marielle. Suspeito de integrar milícia na Zona Oeste está preso por crime semelhante (Foto: Reprodução)Em carta, "Orlando de Curicica" nega envolvimento com o crime de Marielle. Suspeito de integrar milícia na Zona Oeste está preso por crime semelhante (Foto: Reprodução)Em carta, "Orlando de Curicica" nega envolvimento com o crime de Marielle. Suspeito de integrar milícia na Zona Oeste está preso por crime semelhante (Foto: Reprodução)

 

Orlando Oliveira de Araújo, apontado como miliciano da Zona Oeste do Rio pela polícia e conhecido como "Orlando de Curicica", divulgou carta datada de quarta-feira (9) na qual nega a participação no crime contra a vereadora Marielle Franco. Ele rechaça ainda fazer parte do poder paralelo. O documento, divulgado inicialmente pelo jornal "O Dia", foi obtido pelo G1 nesta quinta (10).

 

 

Na quarta, o G1 mostrou que Orlando está preso por um crime semelhante ao da vereadora. Aquele foi praticado em 2015 — com direito a perseguição e tiros na cabeça da vítima. Ele, que é ex-policial militar, foi ligado ao crime da parlamentar por um delator que também teria trabalhado para a milícia, mas rebateu dizendo que "nunca tinha ouvido falar" da parlamentar.

 

"Eu, Orlando Oliveira de Araújo, venho por meio desta esclarecer sobre os fatos que estão sendo veiculados na imprensa sobre o assassinato da vereadora Marielle e de seu motorista Anderson, que não tenho qualquer envolvimento nesse crime bárbaro", diz o texto.

 

A carta afirma ainda que Orlando está à disposição das autoridades. Ele ataca o delator, identificando-o, e diz que não "tem qualquer autoridade" por ser — o delator — miliciano.

"Informo também que nunca estive com o vereador (Marcello) Siciliano em nenhuma oportunidade", diz ele, em alusão ao parlamentar, que, na delação, também encomendou a morte de Marielle.

"Por fim, com todo respeito à vereadora Marielle, eu nunca tinha ouvido falar dela".

 

Orlando está preso como mandante de crime com mesmas características em 2015

 

De carro, três homens armados iniciam uma perseguição. Eles emparelham ao lado de outro veículo e disparam mais de dez tiros. A narrativa do crime, que se assemelha ao ocorrido contra a vereadora Marielle Franco em março, ocorreu em 2015 na Zona Oeste do Rio.

Um "segurança" de Orlando e outros dois rapazes teriam participado da perseguição e do crime contra Wagner Raphael de Souza, então presidente da escola de samba União do Parque Curicica. Essas duas pessoas, segundo "O Globo", também estariam no carro que perseguiu Marielle.

"Consta (...) que o denunciado Orlando Oliveira de Araújo foi o mandado do crime [em 2015]. (...) As vítimas estavam no interior do veículo (...) quando os denunciados Renato Nascimento dos Santos e William da Silva Sant'Anna chegaram em um veículo Kia/Cerato, branco, conduzido por um comparsa ainda não identificado", diz o inquérito citado pela Justiça.

 

"Os disparos foram efetuados a pouca distância e contra suas cabeças", conclui o inqúerito.

 

A principal diferença na dinâmica dos crimes está no momento dos tiros. Contra Marielle, os autores estavam dentro do carro e colocaram uma submetralhadora para fora da janela. Em 2015, numa região de terra batida e menos exposta a câmeras, os assassinos puderam desembarcar. Entre 10 e 12 tiros acertaram o carro.

"Após descerem do veículo, efetuaram diversos disparos de arma de fogo contra as vítimas, causando-lhes lesões corporais", diz a investigação.

A autoria do crime de 2015 foi atribuída a Orlando por um dos passageiros do veículo atacado, que sobreviveu graças ao atendimento médico. A vítima precisou passar por uma cirurgia, perdeu o baço e ficou com uma bala alojada no corpo. Recuperada, apontou Orlando como o mandante em depoimentos no hospital e na delegacia. Depois, em juízo, voltou atrás e negou tudo.

MORTE DA VEREADORA MARIELLE FRANCO


Compartilhar em:


PUBLICIDADE