TvKajuru | Só Verdades

Compartilhar pelo whatsapp

Envelope de Janot com nome de Marconi fala em "propina"

Postado por TVKajuru.com | 13/04/2017 às 09:29h

O envelope com os detalhes da petição contra o governador Marconi Perillo (PSDB) tem uma curiosidade. O envelope que saiu de Rodrigo Janot (da PGR) e Edson Fachin (do STF) é bem explícito - tanto que a foto dele foi publicada no documento oficial da Procuradoria Geral da República. Trata-se de "propina". É a palavra que está escrita no envelope de Marconi Perillo, como consta na página 6 do documento público gerado por Rodrigo Janot e tornado não-sigiloso desde ontem (clique aqui). 

Trata-se da petição 6.755 (191). Conforme se depreende da análise do termo de depoimento do delator Alexandre José Lopes Barradas, diretor-superintendente da Odebrecht Ambiental, há "fortes indícios" de crimes cometidos pelo governador goiano. Há pagamentos confirmados pelos delatores de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) a  título de contribuição para a  campanha eleitoral de 2010. O propósito de tal "doação" seria viabilizar projetos de saneamento no entorno goiano. 

Já nas eleições de 2014, o  governador procurou a empresa e pediu nova contribuição para campanha diretamente a Marcelo Odebrecht, Fernando Cunha Reis e João Pacífico, executivos da empresa. O pedido ocorreu em almoço ocorrido na sede da empresa, em São Paulo. Os autos dizem que "na oportunidade, Marconi solicitou o valor de R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais). Isso mesmo: R$ 50 milhões. Os pagamentos chegaram a "apenas" R$ 8 milhões, conforme dados repassados (com comprovantes) por Fernando Cunha Reis, em espécie, na cidade de São Paulo. Sim, leitor, você não leu errado: os R$ 8 milhões foram entregues, em espécie, a Marconi Perillo (PSDB) num almoço em São Paulo em 2014 na sede da Odebrecht (clique aqui e veja este documento)

Não acaba por aí. Com narrativa semelhante à de Alexandre José Lopes Barradas, tem-se novo depoimento do colaborador Fernando Cunha Reis (Termo de Depoimento número 4). Nessa mesma linha, o delator João Pacífico confirmou os repasses ilícitos à campanha eleitoral de Marconi Perillo nos anos de 2010 e 2014, conforme depoimento audiovisual (Termo de Depoimento nº 33). Por fim, o delator Ricardo Roth Ferraz esclareceu que operacionalizou os repasses financeiros a Marconi Perillo (Termo de Depoimento nº 6).

 

Fonte |

Compartilhar em:


PUBLICIDADE