TvKajuru | Só Verdades

Compartilhar pelo whatsapp

Leia trechos: ?O Globo? prova que Marconi quebrou Goiás

Postado por TVKajuru.com | 27/12/2016 às 09:58h

Foto: Divulgação

 

 O jornal O Globo, na sua edição do último domingo, 25 de dezembro, comprovou que o governador Marconi Perillo (PSDB) quebrou mesmo o Estado de Goiás. Mais do que isso, ainda confirmou que o TCEs de Goiás, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul foram omissos e deram avalal para a má gestão financeira. O Globo também confirma que esses quatro Estados da Federação são os quatro que apresentam as piores notas na avaliação financeira da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

A falta de uma atuação mais rigorosa na fiscalização da administração orçamentária faz com que o papel dos tribunais de contas estaduais (TCEs) fosse colocado em xeque. As contas dos governos são analisadas nos TCEs por sete conselheiros - no caso de Goiás, todos nomeados depois de 1999, primeiro ano dos quase 20 em que Marconi está à frente do Governo do Estado.  

Levantamento realizado em 2014 pela ONG Transparência Brasil mostrou que 80% dos conselheiros de tribunais de contas pelo país ocuparam anteriormente cargos políticos. Em Goiás, não é diferente. O Globo chega a dizer que, "em tese, as indicações exclusivamente políticas estão entre as causas de inefetividade no controle das contas". 

A matéria também questiona onde estava o Tribunal de Contas quando um Estado faz renúncia fiscal atrás de renúncia fiscal comprometendo o orçamento do Estado. 

Em Goiás, em relato do jornal O Globo, o Estado de Goiás é classificado pelo Tesouro Nacional com nota D+ mas, ainda assim, as contas de 2015 foram aprovadas por unanimidade. O TCE-GO informou que a análise da contas foi técnica.

O presidente da Associação Nacional dos Membros dos Tribunais Contas (Atricon), Valdecir Pascoal, reconhece que os TCEs precisam admitir falta de rigor no julgamento das contas nos últimos anos, embora ressalve que sem a atuação dos tribunais a situação fiscal dos estados seria pior.

Fonte |

Compartilhar em:


PUBLICIDADE