QUER SER PROFETISA DO CAOS ?

0
882

Damares não apresenta provas e diz ter ouvido ‘nas ruas’ denúncias sobre estupro e tráfico de crianças no Marajó

MPF e Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) deram prazo para Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) dar informações sobre denúncias, mas ainda não tiveram respostas.

Durante fala em uma igreja evangélica, Damares alegou que crianças do Marajó são traficadas para o exterior e submetidas a mutilações corporais e a regimes alimentares que facilitam abusos sexuais. Ela afirmou, também, que “explodiu o número de estupros de recém-nascidos”, que no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) há imagens de crianças de 8 dias de vida sendo estupradas e que um vídeo de estupro de crianças é vendido por preços entre R$ 50 e R$ 100 mil.

Em entrevista à rádio Bandeirantes de São Paulo, nesta quinta-feira (13), ela não apresentou provas das denúnciasNa última terça-feira, o Ministério Público Federal do Pará deu um prazo de 3 dias para a senadora detalhar as denúncias.

“Isso tudo é falado nas ruas do Marajó, nas ruas da fronteira, no começo do meu vídeo eu falo Marajó porque é onde a gente começou um programa, mas o tráfico de crianças no Brasil acontece na fronteira. (…) Em áreas de fronteiras a gente ouve coisas absurdas como o tráfico de mulheres e de crianças. Essa coisa de quando as crianças saem dopadas e seus dentinhos são arrancados onde chegam (…)”.

Prazo do MPF

O MPF informou, nesta quinta-feira (13), que ainda não recebeu respostas do MMFDH sobre as declarações de Damares, e que providências teriam sido tomadas. Um ofício foi enviado à atual secretária executiva do MMFDH, Tatiana Barbosa de Alvarenga.

Em nota, o órgão informa que “nos últimos 30 anos, nenhuma denúncia ao MPF sobre tráfico de crianças no Marajó mencionou torturas citadas por Damares“.

“O MPF atuou, de 2006 a 2015, em três inquéritos civis e um inquérito policial instaurados a partir de denúncias sobre supostos casos de tráfico internacional de crianças que teriam ocorrido desde 1992 no arquipélago do Marajó. Nenhuma das denúncias mencionou nada semelhante às torturas citadas pela ex-ministra Damares Alves no último dia 8”, afirma em nota.

Na terça-feira (11), a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do MPF para a defesa dos direitos humanos, e o MPPA também solicitaram essas informações ao MMFDH.

Ainda segundo o MPF, sobre as denúncias recebidas que não tratavam de tráfico internacional de crianças ou de outro crime que deve ser julgado pela Justiça Federal, as denúncias foram encaminhadas ao Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) e que, na quarta-feira (12), o MPPA divulgou nota informando que até agora também não recebeu denúncia formal ou prova do que a ex-ministra relatou.

Fonte: G1

Google search engine

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui